VOLUME 33 - EDIÇÃO 101 Maio/ Ago - 2016

Editorial
Artigo Original

2 - Desempenho de escolares em testes de atenção e funções executivas: estudo comparativo

Students performance in attention tests and executive functions: a comparative stud

Maria José Andrade; Mariana Coelho Carvalho; Rauni Jandé Roama Alves; Sylvia Maria Ciasca

Rev. Psicopedagogia 2016;33(101):123-132

Resumo PDF Português

INTRODUÇÃO: Funções executivas e atenção constituem funções corticais importantes para o processo de aprendizagem e estão envolvidas com o desenvolvimento das habilidades escolares de leitura, escrita e cálculo, além de possibilitar o engajamento do indivíduo em ações do seu cotidiano.
OBJETIVO: O presente estudo buscou comparar o desempenho em funções executivas, atenção e desempenho acadêmico de crianças com e sem dificuldade de aprendizagem, de ambos os sexos, e faixa etária entre 10-11 anos, do quinto ano de uma escola pública.
MÉTODO: Participaram do estudo 27 crianças que foram avaliadas usando os instrumentos para a atenção: Teste de Cancelamento e Trail Making Test parte A; para as funções executivas; Trail Making Test – parte B, Stroop Color Word Test e Torre de Londres; para avaliação da capacidade intelectual: Matrizes Progressivas de Raven.
RESULTADOS E CONCLUSÃO: Os resultados encontrados indicam que crianças com queixas escolares apresentam desempenho inferior nos instrumentos que avaliam funções executivas e atenção quando comparadas a crianças sem dificuldades.

3 - Avaliação do uso de jogos eletrônicos para o aprimoramento das funções executivas no contexto escolar

Evaluation of the use of electronic games to improvement of executive functions in the school context

Daniela Karine Ramos; Natália Lorenzetti da Rocha

Rev. Psicopedagogia 2016;33(101):133-143

Resumo PDF Português

Este estudo avalia o uso de jogos eletrônicos para o aprimoramento das funções executivas em crianças no contexto escolar. A pesquisa caracteriza-se como exploratória e utiliza uma abordagem qualitativa para subsidiar, fundamentar e orientar a utilização e o desenvolvimento de jogos cognitivos para dispositivos móveis. A composição da amostra envolveu a participação de duas turmas, contabilizando 50 alunos, na faixa etária de 8 a 11 anos. As turmas participaram de uma intervenção pautada no uso da Escola do Cérebro - um sistema que integra jogos cognitivos eletrônicos - diariamente, durante 20 minutos, em um período de 4 semanas. As intervenções foram observadas e registradas de modo contínuo e, ao final, os dois professores das turmas participantes e os alunos foram entrevistados em grupo. Os resultados apontam para maior motivação das crianças, desempenho crescente nos jogos e aprimoramento de funções executivas, em especial, o autocontrole e a atenção.

4 - Dados preliminares de um programa de intervenção para compreensão leitora por meio da técnica de Cloze

Preliminary data of an intervention program for reading comprehension using the Cloze technique

Andréa Carla Machado; Simone Aparecida Capellini

Rev. Psicopedagogia 2016;33(101):144-153

Resumo PDF Português

A presente pesquisa teve o objetivo de desenvolver um programa de compreensão leitora por meio da técnica de Cloze. Participaram deste estudo 60 escolares de ambos os sexos, com idade entre 9 e 11 anos (média = 10,4 anos), do 4º ano do Ensino Fundamental municipal de uma cidade do interior paulista. Foi desenvolvido um programa de seis treinos com textos selecionados, posteriormente transformados em slides de power point como recurso diferencial para intervenção em compreensão leitora por meio da técnica de Cloze. Os participantes foram divididos em dois grupos, GI com 30 escolares que receberam a intervenção e o grupo GII com 30 escolares que não receberam intervenção de compreensão leitora. Os resultados revelaram diferenças estatisticamente significantes, evidenciando que os escolares apresentaram desempenho obtido superior quando comparado aos escolares que não receberam intervenção do programa de compreensão leitora. A comparação dos resultados do pré e pós-testes apontaram para uma diferença significativa, demonstrando que a técnica de Cloze contribui de maneira salutar para o desenvolvimento da compreensão em leitura.

5 - Percepção do suporte familiar e desempenho em leitura e escrita de crianças do Ensino Fundamental

Perception of family support and performance in reading and writing by children of the basic education

Karina da Costa; José Maria Montiel; Daniel Bartholomeu; Camélia Santina Murgo; Nathalia Rodrigues Campos

Rev. Psicopedagogia 2016;33(101):144-163

Resumo PDF Português

OBJETIVO: Este estudo tem como objetivo avaliar as relações entre suporte familiar e desempenho de leitura e escrita de crianças de 8 a 10 anos.
MÉTODO: A amostra preliminar contou com 102 crianças de 8 a 10 anos, com média de idade de 9 anos (DP=0,77). Todos os participantes são alunos de uma escola localizada em um município do interior do Estado do Maranhão. Os estudantes foram avaliados pelo Inventário de Percepção de Suporte Familiar e Teste de Desempenho de Escrita, Leitura e Matemática para o Ensino Fundamental.
RESULTADOS: Dentre os resultados da análise de regressão, tendo como variável dependente o desempenho em português e, independente, os fatores de suporte familiar, duas variáveis explicaram significativamente o desempenho em português, a autonomia familiar e a adaptação familiar.
CONCLUSÃO: Os resultados desta pesquisa mantiveram consonância com a literatura pertinente. Novos estudos poderiam realizar uma meta análise dos artigos sobre família e desempenho acadêmico com vistas a caracterizar quais as contribuições específicas de cada aspecto relacionado ao desempenho.

6 - Relação entre recursos familiares e desempenho escolar de alunos do 5º ano do Ensino Fundamental de escola pública

Relation between family resources and schoolarship performance on 5th year public elementary school students

Renata Ribeiro; Sylvia Maria Ciasca; Iuri Victor Capelatto

Rev. Psicopedagogia 2016;33(101):164-174

Resumo PDF Português

INTRODUÇÃO: É comum, no meio escolar, ouvir professores salientando que a família é a grande culpada pelas dificuldades dos filhos na escola; que bons alunos têm pais presentes e outros estímulos do ambiente que favorecem o bom desempenho acadêmico. Por esse motivo, a presente pesquisa objetivou avaliar os recursos do ambiente familiar e correlacioná-lo ao desempenho escolar de alunos do 5º ano do Ensino Fundamental de escola pública brasileira.
MÉTODO: Foram selecionados 23 alunos participantes do 5º ano, com idade média de 10,9 anos. Foram aplicados os instrumentos Teste de Desempenho Escolar (TDE) nos alunos e o Inventário de recursos do ambiente familiar (RAF), em forma de entrevista, nos pais dos alunos.
RESULTADOS: Nesta amostra, houve correlação positiva entre desempenho escolar e alguns itens do ambiente familiar, como posse de livros, revistas e brinquedos pedagógicos, passeios em família, atividades extraescoltares programadas e acompanhamento dos afazeres escolares.
CONCLUSÃO: Neste estudo, foi possível observar que crianças que recebem estímulos em casa apresentam maiores chances de obterem desempenho escolar satisfatório. Sugere-se que seja realizada uma futura pesquisa para que possa ser relacionado o desempenho escolar com os recursos do ambiente familiar nas esferas pública e particular, a fim de que se possa ter dados relevantes em relação à educação e a presença de recursos do ambiente familiar.

7 - As percepções das crianças e adolescentes com câncer sobre a reinserção escolar

Perceptions of children and adolescents with cancer on school reintegration

Nájila Bianca Campos Freitas; Jérssia Laís Fonsêca dos Santos; Andrezza Mangueira Estanislau; Rosicleia Moreira Palitot; Patrícia Nunes da Fonsêca

Rev. Psicopedagogia 2016;33(101):175-183

Resumo PDF Português

O objetivo do presente estudo é analisar as percepções que os pacientes oncológicos apresentam acerca da reinserção escolar. Para isso, adotou-se a Teoria da percepção social, porquanto orienta o comportamento e, consequentemente, é influenciado em razão dos comportamentos das outras pessoas. Participaram do estudo quatro pacientes oncológicos, com idades variando entre nove e treze anos, residentes em cidades do Estado da Paraíba. Os participantes responderam a uma entrevista com roteiro semiestruturado, foi empregado também na avaliação o desenho-estória com tema e o questionário sociodemográfico. Os dados foram analisados a partir da Análise de Conteúdo de Bardin. Os resultados indicaram que os participantes percebem a reinserção escolar como um espaço que promove o bem-estar e a motivação, como também, um contexto que reforça o sentimento de angústia. A partir disso, compreende-se que há necessidade de desenvolver um trabalho interdisciplinar que possibilite desenvolver estratégias que potencializem as habilidades do sujeito e a sua readaptação ao contexto escolar.

8 - Infância, escola e literatura infantil: livro para criança não precisa ser educativo

Childhood, school and children’s literature: book for children does not need to be educational

Mariana Pereira dos Reis; Eneida Pena Pereira Torres; Beethoven Hortencio Rodrigues da Costa

Rev. Psicopedagogia 2016;33(101):184-195

Resumo PDF Português

Este artigo busca a intersecção entre os temas Infância, Escola e Literatura Infantil, trazendo reflexões que possam contribuir para a análise dos livros infantis oferecidos aos alunos na escola, bem como permitir aos educadores uma visão ampliada das várias possibilidades oferecidas pela literatura. Para tanto, além da visão teórica, apresentaremos uma análise sobre uma pesquisa feita com um acervo literário enviado às escolas estaduais do Estado de São Paulo. A análise das leituras realizadas constatou uma maior quantidade de livros paradidáticos (79%) em relação aos livros de literatura infantil (21%). Portanto, pode-se deduzir que a escola prioriza livros que instrumentalizem o professor a passar conteúdos desejados, não havendo ênfase nas descobertas ímpares e subjetivas que a literatura infantil possa promover aos alunos.

9 - Quem canta, seus males espanta: um ensaio sobre autismo, cegueira, canto, inclusão, superação e sucesso

Who sings, scares away his woes: an essay on autism, blindness, singing, inclusion, overcome and success

Renata Mousinho; Andrea Câmara; Carla Gikovate

Rev. Psicopedagogia 2016;33(101):196-205

Resumo PDF Português

Autismo é uma desordem neurobiológica caracterizada por dificuldades sociais, de comunicação e interesses restritos. Estima-se que cerca de 10% dos autistas apresentem talentos, dentre eles, o musical. Há hipóteses cognitivas que podem estar subjacentes ao aparecimento de tais talentos. O artigo foi baseado na trajetória de um jovem, autista e cego, na Faculdade de Música de uma grande universidade federal, expondo os desafios e soluções encontrados por ele e pela equipe educacional ao longo deste percurso. Para vencer as dificuldades foi necessária observação detalhada, criar e repensar as estratégias para o dia-a-dia, assim como um constante "acreditar" de todos que estavam envolvidos. Espera-se que tal experiência, discutida à luz das Neurociências, possa ser generalizada, servindo de modelo e inspiração para educadores de diversas áreas.

Artigo de Revisão

10 - A Psicopedagogia na educação infantil: o papel das brincadeiras na prevenção das dificuldades de aprendizagem

The Educational Psychology in early childhood education: the role of play in the prevention of learning difficulties

Clariane do Nascimento de Freitas; Helena Vellinho Corso

Rev. Psicopedagogia 2016;33(101):206-216

Resumo PDF Português

O presente artigo é resultado do trabalho de conclusão do curso de Especialização em Psicopedagogia realizado numa instituição privada no interior do Rio Grande do Sul. A proposta era pensar numa temática em que pudéssemos demonstrar e ampliar o conhecimento que construímos ao longo do curso. Pensando nisso, este trabalho tem como foco principal refletir sobre a relevância que uma simples brincadeira tem para o processo de desenvolvimento das crianças e, em especial sua alfabetização. Dessa forma, nesse trabalho mostramos que, a partir de algumas brincadeiras comuns do cotidiano infantil, podemos beneficiar o desenvolvimento das habilidades de leitura, escrita e matemática. Para tanto, foi realizada revisão bibliográfica sobre os conceitos de aprendizagem e dificuldades de aprendizagem, apontando sua relação com o desenvolvimento psicomotor e, consequentemente, abordando a prevenção das disgnosias e dispraxias como prevenção de dificuldades de aprendizagem. Posteriormente, apresentamos o que alguns autores consideram habilidades necessárias para a aquisição da leitura, escrita e matemática, habilidades estas que podem ser estimuladas por meio de brincadeiras tradicionais. Brincar desenvolve habilidades psicomotoras, psíquicas, afetivas e também cognitivas; faz parte do desenvolvimento integral da criança. Entendemos que a proposta aqui apresentada pode ser o pontapé inicial para uma intervenção institucional com professores que atuam na Educação Infantil, de modo que eles possam refletir sobre sua prática na escola.

Resenha