Artigos do Autor

10 resultado(s) para: Elizeu Coutinho de Macedo

Habilidades de leitura, escrita e língua de sinais de alunos surdos do ensino fundamental: validação de testes computadorizados

James dos Santos Penna; Elizeu Coutinho de Macedo

Rev. Psicopedagogia 2008;25(78):236-242 - Artigo Original

Resumo PDF Português

O estudo validou a bateria computadorizada de 11 testes para Avaliação de Leitura, Escrita e Língua de Sinais, com 44 alunos surdos de 5ª e 6ª séries do ensino fundamental. Encontrou correlações positivas entre 10 dos 11 testes, exceto o de vocabulário receptivo de língua de sinais.

Desenvolvimento da inteligência em pré-escolares: implicações para a aprendizagem

Tatiana Pontrelli Mecca; Daniela Aguilera Moura Antonio; Elizeu Coutinho de Macedo

Rev. Psicopedagogia 2012;29(88):66-73 - Artigo de Revisão

Resumo PDF Português

As habilidades cognitivas desenvolvidas na fase pré-escolar são fundamentais para aquisição de conhecimentos nas fases seguintes. A avaliação cognitiva nessa fase possibilita verificar possíveis atrasos no desenvolvimento e estabelecer diferentes perfis de competências em relação às diversas funções cognitivas. O objetivo do presente trabalho é apresentar uma revisão dos principais aspectos relacionados, especificidades e desafios da avaliação cognitiva em pré-escolares, bem como identificar como esta pode auxiliar no estabelecimento de intervenções precoces e eficazes. O foco do estudo é o construto inteligência que está diretamente relacionada com a capacidade de pensar e de resolver problemas. Estudos indicam que a inteligência é influenciada tanto por aspectos genéticos quanto ambientais, e possui relação consistente com a aprendizagem. Sendo assim, é de suma importância compreender como se apresenta o funcionamento intelectual nos pré-escolares, bem como avaliá-lo adequadamente, auxiliando no planejamento de estratégias de intervenções psicopedagógicas, bem como na indicação de tratamentos específicos.

Eficácia de um programa de intervenção fônica para crianças com dificuldades de leitura e escrita

Elizabete Maria de Almeida Andrade; Tatiana Pontrelli Mecca; Roselaine Pontes de Almeida; Elizeu Coutinho de Macedo

Rev. Psicopedagogia 2014;31(95):119-129 - Artigo Original

Resumo PDF Português

OBJETIVO: Este estudo teve por objetivo avaliar o efeito de uma intervenção realizada por professores, baseada na abordagem fônica para a superação das dificuldades de leitura e escrita.
MÉTODO: Participaram crianças de 3º e 4º anos do Ensino Fundamental de escolas públicas de São Paulo, subdivididas em: Grupo Experimental submetido à intervenção fônica (GE), composto por crianças com dificuldades de leitura e escrita; Grupo Controle 1 (GC1): por crianças sem dificuldades e Grupo Controle 2 (GC2): crianças com dificuldades em leitura e escrita. Avaliação pré e pós-intervenção foi realizada com a Bateria de Avaliação de Leitura e Escrita (BALE). Foram feitas comparações do nível de consciência fonológica e dos estágios de leitura do GE, antes e depois das intervenções.
RESULTADOS: Houve melhora significativa do GE em relação ao GC2 na BALE, e em consciência fonológica e nos estágios de intervenção, o GC1 apresentou ganhos significativos, enquanto que o GC2 permaneceu estável.
CONCLUSÕES: Embora o efeito da escolarização tenha sido maior para as crianças sem dificuldades, crianças com dificuldades de leitura e escrita se beneficiaram com o uso do método fônico.

Avaliação de leitura para alunos bilíngues em português e hebraico

Rosette Khalili Dichi ; Anna Carolina Cassiano Barbosa; Tatiana Pontrelli Mecca; Elizeu Coutinho de Macedo

Rev. Psicopedagogia 2013;30(92):94-104 - Artigo Original

Resumo PDF Português

INTRODUÇÃO: Há muitas pesquisas sobre as habilidades de leitura e escrita e suas respectivas dificuldades, sendo que a Bateria de Avaliação de Leitura e Escrita (BALE) tem se mostrado um instrumento eficaz na identificação destas dificuldades. Porém, são poucos os estudos sobre o bilinguismo e as comparações de idiomas como o português e o hebraico, quanto aos processos de aquisição e fluência.
OBJETIVOS:
Os objetivos deste trabalho foram verificar a adequação da versão em hebraico da BALE, por meio de evidências de validade dos escores em função das séries escolares e da correlação entre o desempenho de alunos para duas versões.
MÉTODO:
As duas versões dos testes foram aplicadas em 51 meninos do Ensino Fundamental de uma escola bilíngue, com idade média de 8,6 anos (DP=1,03).
RESULTADOS:
Os resultados demonstram que a pontuação em português foi significativamente maior do que na versão em hebraico, para os três testes. Foi observado aumento nos escores de acordo com as séries e observadas correlações positivas e significativas entre as duas versões dos testes.
CONCLUSÃO:
Este trabalho mostra um padrão relacional de processamento das duas línguas apesar de suas variabilidades.

Desempenho em testes psicopedagógicos e neuropsicológicos de crianças e adolescentes com dislexia do desenvolvimento e dificuldade de aprendizagem

Matheus Sant'Ana Michelino; Amanda Douat Cardoso; Patrícia Botelho da Silva; Elizeu Coutinho de Macedo

Rev. Psicopedagogia 2017;34(104):111-125 - Artigo Original

Resumo PDF Português

Os problemas encontrados durante o processo de aprendizagem constituem uma das razões mais frequentes para a procura por atendimentos por psicopedagogos, psicólogos e fonoaudiólogos. Essas dificuldades têm sido analisadas em função de dois subtipos importantes: Dificuldades de Aprendizagem (DA) e Transtornos Específicos de Aprendizagem (TEAd), sendo a Dislexia do Desenvolvimento (DD) o transtorno com maior prevalência. Dessa forma, um dos aspectos importantes da avalição diagnóstica é o estabelecimento de diagnóstico diferencial. O presente estudo teve por objetivo caracterizar perfis de crianças e adolescentes com DD e DA em testes psicopedagógicos e neuropsicológicos, e compará-los com o perfil do grupo controle. Participaram 45 crianças e adolescentes divididas em três grupos: (G1) 21 sujeitos com DD; (G2) 10 sujeitos com histórico de DA, mas sem apresentar os critérios para diagnóstico do transtorno; (G3) 14 bons leitores, utilizados como grupo controle. Avaliaram-se as seguintes habilidades cognitivas: inteligência, atenção, consciência fonológica, fluência verbal, linguagem receptivaauditiva, leitura e escrita. ANOVAs unifatoriais foram conduzidas e nos casos em que foram encontradas diferenças significativas entre os grupos, testes post hoc Bonferroni foram realizados. Os resultados apontaram que o grupo com DD apresentou maiores dificuldades em testes que avaliam a memória de trabalho e discriminação visual, além de erros específicos na leitura e escrita. Esse perfil cognitivo evidencia dificuldades específicas na leitura e nas habilidades cognitivas relacionadas a esse processo. Além disto, o estudo evidenciou a heterogeneidade do perfil de crianças com dislexia, bem como possíveis comorbidades com outros transtornos.

Análise da produção escrita de crianças com dislexia do desenvolvimento submetidas a intervenção fônica computadorizada

Darlene Godoy de Oliveira; Karen Kaufmann Sacchetto; Karen Ueki; Patrícia Botelho da Silva; Elizeu Coutinho de Macedo

Rev. Psicopedagogia 2011;28(87):246-255 - Artigo Original

Resumo PDF Português

INTRODUÇÃO: Déficits de escrita são comuns em crianças disléxicas, especialmente nos domínios de codificação ortográfica e fonológica. Procedimentos de avaliação psicopedagógica devem considerar a semiologia de erros de escrita, para promover o desenvolvimento eficaz destas habilidades. Programas interventivos com foco no processamento fonológico contribuem para melhora nas habilidades de linguagem escrita de disléxicos.
OBJETIVO: Este estudo objetivou verificar mudanças no padrão de escrita de disléxicos submetidos à intervenção com o software Alfabetização Fônica Computadorizada, por meio da análise dos tipos de erros ortográficos.
MÉTODO: Vinte crianças, com idade média de 11,7 anos, com diagnóstico de dislexia foram avaliadas em tarefas de leitura e escrita e divididas em dois grupos pareadas por idade, sexo e escolaridade. O GI (n=10) foi submetido à intervenção em 16 sessões semanais. O GII não recebeu tratamento. Todos os sujeitos foram novamente avaliados após a intervenção.
RESULTADOS: Análises da primeira avaliação indicaram que os grupos tinham o mesmo nível de escrita. Na segunda avaliação, houve aumento significativo da velocidade de escrita no GI. Não houve diferenças significativas para aumento do número de acertos e para diminuição de erros de escrita conforme as categorias analisadas, apesar de haver decréscimo na média de erros por palavra e nas categorias de correspondência biunívoca, omissão de segmento, correspondência regular contextual, correspondência irregular independente de regras e supercorreção. Estes resultados são discutidos considerando o modelo de intervenção psicopedagógico, o número de sessões e as habilidades treinadas.
CONCLUSÃO: A utilização do software Alfabetização Fônica Computadorizada pode auxiliar no desenvolvimento da escrita em crianças disléxicas em conjunto ao treinamento de habilidades ortográficas.

Habilidades de leitura e escrita de crianças na recuperação do ciclo I: divergências entre avaliação de professores e resultados em testes padronizados

Maria Cristina Triguero Veloz Teixeira; Chi Kow Mei; Alessandra Gotuzo Seabra; Deisy Ribas Emerich; Elizeu Coutinho de Macedo

Rev. Psicopedagogia 2010;27(83):202-213 - Artigo Original

Resumo PDF Português

No Brasil, as Classes de Recuperação de Ciclos são destinadas a desenvolver habilidades deficitárias dos alunos. Esse estudo verificou os possíveis ganhos em leitura e escrita de 23 crianças inseridas na Recuperação do Ciclo I do Ensino Fundamental de uma escola pública de São Paulo. Os alunos foram avaliados no final do 2º e do 4º semestre. O professor fez a avaliação tradicional e os pesquisadores usaram os seguintes testes: Competência de Leitura de Palavras, Compreensão de Sentenças Escritas e Nomeação de Figuras por Escrita. Foram observados ganhos significativos apenas na avaliação feita pelos professores. Análises não revelaram aumento entre as duas avaliações com uso dos testes. Os principais resultados sugerem a utilização da rota fonológica para leitura e escrita, sem a utilização da rota lexical. Todos os participantes tiveram promoção automática para a 5ª série do ensino fundamental, mesmo não apresentando nível mínimo de leitura.

Programa de estimulação cognitiva "Ativamente" para o Ensino Infantil

Jucelia Santos Ganz; Luce Malba Campos; Patricia Botelho da Silva; Tatiana Pontrelli Mecca; Roselaine Pontes de Almeida; Camila Rennhard Bandeira de Melo; Maria Marta de Sousa Correa; Marialda Carvalho Furtado Mendes; Elizeu Coutinho de Macedo

Rev. Psicopedagogia 2015;32(97):14-25 - Artigo Original

Resumo PDF Português

Intervenções no contexto educacional com crianças préescolares são de suma importância para o desenvolvimento de habilidades cognitivas necessárias à aprendizagem. O presente estudo teve por objetivo investigar o efeito do programa de estimulação cognitiva "Ativamente" em crianças pré-escolares de São Luís/MA. Participaram do estudo 20 crianças entre 3 e 6 anos de idade. Foram avaliadas inteligência, atenção, memória e linguagem, antes e após intervenção realizada, durante um período de 4 meses. Os resultados demonstraram que houve aumento significativo no desempenho nos testes de inteligência, atenção, fonoarticulatório, nomeação de letras e leitura por soletração. Da mesma forma, houve diminuição significativa no tempo de nomeação de cores e objetos, indicando aumento na velocidade da nomeação automática rápida. Os resultados demonstram a importância da estimulação precoce para o desenvolvimento de habilidades cognitivas que são preditoras de desempenho acadêmico.

Nível de leitura e compreensão de sentenças faladas no ensino fundamental: diagnóstico diferencial dos problemas de leitura

Carolina Cunha Nikaedo; Elizeu Coutinho de Macedo; Cleber Diana; Katerina Lukasova; Carolina Kuriyama; Fernanda Orsati; Fernando César Capovilla; Luane Natalle

Rev. Psicopedagogia 2006;23(71):107-115 - Artigo Original

Resumo PDF Português

O presente trabalho objetivou verificar a eficácia do Teste de Compreensão de Sentença Escrita (TCSE) e do Teste de Compreensão de Sentença Falada (TCSF) na avaliação de habilidades de compreensão de sentença escrita e falada via Internet, além de verificar a dissociação entre déficits de compreensão de informação escrita e da decodificação de informação auditiva. Resultados mostram que os testes discriminam o desempenho interséries e que a pontuação aumentou em função das quatro primeiras séries do Ensino Fundamental. Análises de correlações revelam que o número de acertos no TCSE esteve positivamente correlacionado com o número de acertos no TCSF. Desta forma, os instrumentos descritos podem ser utilizados para avaliação de habilidades de leitura em escolares como auxílio no diagnóstico diferencial dos problemas de leitura. Assim, é possível identificar se existe uma dissociação entre déficits de compreensão de informação escrita e na decodificação de informação auditiva.